Suco: tendências do mercado para 2007/2008

22/04/2007
O suco de laranja teve a maior valorização no mercado internacional no biênio 2005/2006 e agora segue em rota descendente na Bolsa de Nova York. Os contratos futuros com vencimento em julho de 2007 caíram para menos de US$ 1,60 por libra-peso, acumulando uma queda de 455 pontos nesta semana e atingindo o menor valor desde julho de 2006. Os tombos na bolsa americana tornaram-se comuns nas últimas semanas, causados por movimentos de vendas especulativas e de fundos de investimentos. Tais movimentos, contudo, sofrem a influência de uma mudança nos fundamentos do mercado. É fato que perduram os problemas de oferta na Flórida, provocados por furacões em 2004 e 2005. Só que a alta superou 130% no biênio, levando consumidores de diversos países a optar pela substituição do produto pelo suco de maçã. A Abecitrus reconhece que as exportações brasileiras para a China estão aquém das expectativas por causa do preço elevado. A próxima safra brasileira de laranja 2007/2008 não deverá cair e será praticamente igual à anterior. O motivo é as chuvas abundantes nas regiões de produção de citros. Uma quantidade de chuva maior do que o normal havia sido registrado em São Paulo, durante os últimos três meses, ajudando a aumentar a produção dos pomares de laranja, mesmo após alguns produtores terem convertido suas lavouras para a produção de cana-de-açúcar. A produção do Estado, que fornece 80% da fruta utilizada na fabricação de suco de laranja pelo Brasil, será equivalente à safra do ano passado. O Estado de São Paulo produziu 348,4 milhões de caixas de 40,8 quilos durante a última safra, numa queda de 4 milhões de caixas em relação ao ano anterior, segundo o Instituto de Economia Agrícola (IEA). O suco de laranja subiu 49% nos últimos 12 meses na Bolsa de Nova York e atingiu seu preço de fechamento recorde, de US$ 2,0815, em 8 de dezembro do ano passado, devido ao receio de que a produção estaria declinando na Flórida, estado norte-americano que é o segundo maior produtor mundial de laranja. O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) reduziu em 8 milhões de caixas a estimativa de produção de laranjas na Flórida na safra 2006/2007. A nova estimativa indica uma produção 132 milhões de caixas de 40,8 Kg, comparativamente aos 140 milhões de caixas de 40,8 Kg projetados no mês passado e aos 147,9 milhões de caixas de 40,8 Kg produzidos no ano passado. A produção da safra 2006/2007 da Florida é a menor desde a safra 1989/1990, cuja produção foi de 110,2 milhões de caixas de 40,8 Kg em função da geada de 1989. A Flórida é o maior produtor mundial de laranja depois do Brasil, colheu 242 milhões de caixas durante a safra encerrada em junho de 2004, mas depois furacões trouxeram seguidos prejuízos à produção. Fonte: Carlos Cogo