- Sábado 18 de Setembro de 2021
  acesse abaixo +
   Notícias +


A ‘Bomba relógio’ do suco de laranja

23/01/2013



Queda do consumo, preços baixos e brigas internas pressionam a citricultura.

Clique aqui
e veja o gráfico.

A fazenda Santa Heloísa, na região de Taquaritinga, a cerca de 70 quilômetros de Ribeirão Preto, de certa forme resume a crise na produção de laranja no País. É possível ver as frutas apodrecendo sobre a terra, reflexo da falta de compradores para a mais recente colheita. Na preparação para o próximo ciclo, milhares de pés de laranja foram arrancados e, amontoados, esperavam a remoção e a substituição pela lavoura de cana-de-açúcar.

Produtores rurais de cidades como Bebedouro e Taquaritinga, conhecidas como “capitais” da citricultura nacional, lembram que as concessionárias de veículos ficavam em polvorosa a cada safra. Nos anos 70 e 80, os “barões” da laranja só andavam de carro novo. Áureos tempos que ficaram pra trás. Hoje, a tendência é a substituição da laranja pela cana, que dá retorno garantido. Agrônomo do Sindicato Rural de Taquaritinga, Sérgio Bellentani foi um dos pioneiros da mudança de cultura. Fez a escolha há 12 anos e afirma que não se arrepende.

“As pessoas me viram derrubando os laranjais e pensavam que eu estava louco”, lembra. Hoje, enquanto a maior parte dos citricultores precisa disputar a tapa um subsídio governamental para reduzir o prejuízo – o recurso oficial, de R$ 120 milhões, garante o preço a R$10, já que as indústrias da região se dispõem a pagar no máximo R$ 6 -, Bellentani recebe adiantado das usinas de açúcar e etanol. A remuneração é acertada antecipadamente. “Eles também fazem todo o trabalho da lavoura, que é mecanizada. Acho que foi uma troca vantajosa”.

A tendência de “passar o chapéu” no governo a cada safra e de interpretar as altas de preços por quebras de produção nos Estados Unidos como regra acabou por empurrar a citricultura para a beira do abismo. Nas últimas duas safras, que foram recorde, o Ministério da Agricultura mais uma vez interveio: diante da ameaça da indústrias de não comprar o produto, houve subsídio para a estocagem. “Hoje, a situação está no limite, não há espaço físico para colocar suco de laranja”, afirma Christian Lohbauer, presidente da CitrusBR, que representa as indústrias do setor, que hoje se resumem a três grupos poderosos: Citrosuco, Cutrale e Louis Dreyfus.

Em baixa. Além da situação pontual dos estoques, há diversas adversidades de longo prazo no caminhos dos produtores de laranja. A mais grave delas é a queda do consumo do suco da fruta. Hoje, tanto produtores quanto as indústrias concordam que é preciso fazer alguma coisa para abrir novos mercados, já que os principais pólos consumidores estão trocando o suco de laranja por bebidas mais “modernas”, como refrigerantes, águas saborizadas e energéticos. Toda vez que uma opção nova surge, o mercado da velha laranja é ameaçado. “A gente nunca vê propaganda de suco de laranja, só vê comercial da Coca-Cola. Precisamos fazer alguma coisa”, diz Nivaldo Davoglio, produtor de Taquaritinga.

A queda do interesse do consumidor pelo produto fica transparente em números. Entre 2011, cada alemão consumia, em média, 14 litros de bebida, volume 25% inferior ao de oito anos antes. No mesmo período, o consumo per capita também teve forte retração no Japão (-30%) e nos EUA (-28%). A situação foi agravada quando dietas famosas – como a do Dr. Atkins – indicaram o suco de laranja como um vilão das calorias.

E o que fez o setor para combater a propaganda negativa e estancar a sangria de mercado? Quase nada. Nem a solução encontrada por nove entre fez segmentos da economia nos últimos anos – um foco maior no mercado interno – foi posta em prática. Noventa e oito por cento do suco concentrado brasileiro continua a ser exportado. E o consumo per capita do produto, embora baixo, ficou praticamente estacionado ddesde o inicio da década passada, segundo dados do próprio setor. O mercado brasileiro é dominado pelo néctar, em que metade do produto é composto de água e açúcar – o volume de suco com 100% de fruta é quase nulo. “A gente precisa encontrar uma solução para incentivar o brasileiro tomar mais suco”, diz o economista Alexandre Mendonça de Barros, da consultoria MBAgro.

A dificuldade em definir uma linha de ação pode ser explicada pelas brigas internas do segmento. As indústrias criaram a CitrusBR e conseguiram apoio da Sociedade Rural Brasileira (SRB) para a formação do Consecitrus, órgão inspirado justamente no Consecana, do setor sucroalcooleiro, que definiria práticas de mercado e serviria de fórum de discussão de preços. Mas entidades como a Federação da Agricultura de São Paulo (Faesp) e a Associtrus não concordam com o desenho apresentado. O Consecitrus faz parte do processo de aprovação da fusão entre Citrosuco e Citrovita no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O governo, embora simpático a uma organização estruturada do setor, cobra mas consenso entre as entidades que representam os diferentes interesses.

Membro da câmara setorial da laranja no Ministério da Agricultura, o presidente do Sindicato Rural de Taquaritinga, Marco Antônio dos Santos, está organizando ainda para janeiro uma reunião com diversas entidades para convencer os produtores dos benefícios do Consecitrus. “É a única saída”, afirma. Entre as propostas da entidade está justamente a criação de uma marca nacional de suco industrializado com 100% de laranja. Uma redução de tributos sobre o produto está pré-negociada com o governo. A idéia é baixar o preço nas gôndolas para no máximo R$ 4 por litro (hoje, os impostos e as margens do varejo fazem o produto custar entre R$ 5 e R$ 6). Responsável por estudos econômicos que baseiam a criação do Consecitrus, o consultor Mendonça de Barros afirma que é preciso agir rápido. Nessa safra, cerca de 10% da produção acabou sem comprador e foi desperdiçada. Para o ano que vem, mesmo com a quebra de safra que o mercado já antecipa, é provável que o volume que apodrecerá nas lavouras seja ainda maior.

Visão do mercado

Alexandre Mendonça de Barros
Economista e consultor da MB AGRO

“Hoje, parte da produção brasileira tem um custo tão alto que a atividade só se sustenta em um nível de preço muito alto. Isso causa um problema sério, pois esses patamares não ajudam a abrir mercado em países em desenvolvimento, onde há potencial de o consumo do suco de laranja crescer”.

Preste atenção

A encruzilhada da citricultura

1 - Brigas internas. Várias associações disputam o título de “representante” dos produtores. Enquanto as organizações não resolvem suas diferenças, o setor não tem condições de escolher um direcionamento para resolver suas deficiências de competitividade.

2 - Consumo em queda. A União Européia é hoje a principal compradora do suco de laranja brasileiro; no entanto, os principais mercados europeus estão bebendo menos suco. Na Alemanha, entre 2003 e 2011, o consumo do produto caiu 25%, segundo pesquisa da consultoria Markestrat.

3 - Mercado interno. O setor se conformou em depender das exportações – hoje, só 2% do suco concentrado feito no País fica em território brasileiro. O brasileiro bebe, por ano, 4 litros de suco de laranja – um quarto do índice de países desenvolvidos.

4 - Concorrência de outras bebidas. No Brasil e nos Estados Unidos, o suco de laranja perdeu mercado para novidades como águas saborizadas e energéticos. E não houve nenhum trabalho de marketing como estratégia de contra-ataque a opções industrializadas (e muitas vezes artificiais) que roubaram o espaço da velha laranjada.

5 - Dependência das benesses do governo. Toda a vez que uma crise se instala, a solução preferencial do setor é “passar o chapéu” no governo. Nas últimas safras, houve ajuda oficial para a formação de estoques de suco – que estão em nível de alta histórica. Neste ano, já foram liberados R$ 120 milhões para complementação do preço pago aos agricultores.

Fonte: O Estado de São Paulo
Fernando Scheller (textos)
Paulo Liebert (fotos)
20/01/2013


<<Voltar << Anterior


Indique esta notícia
Seu nome:
Seu e-mail:
Nome Amigo:
E-mail Amigo:
 
  publicidade +
 

Associtrus - Todos os direitos reservados ©2021

Desenvolvido pela Williarts Internet
Acessos do dia: 19
Total: 3.516.214
supertotobet bahissenin bahissenin
1xbet 1xbet bahisno1 bahsegel canli casino ecopayz kacak iddaa canli bahis iddaa marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis restbet canli skor superbahis mobilbahis
bahigo bahis siteleri guvenilir bahis siteleri kacak bahis siteleri betist 1xbet asyabahis betebet betgaranti betlike betvole ligobet pinbahis polobet verabet
<