- Domingo 24 de Outubro de 2021
  acesse abaixo +
   Editorial +


Consecitrus - Uma oportunidade que não pode ser perdida

09/04/2014

Desde o início de 2000, estamos propondo a estruturação de um organismo que regulasse as relações entre produtores e indústria e que, com a reorganização da Associtrus em 2003, passamos a denominar Consecitrus.

A Associtrus, que participou como terceira interessada no processo de fusão Citrosuco-Citrovita, apontou, entre outros riscos, o aumento do poder de mercado, da verticalização e da assimetria de informações.

Como alternativa à reprovação da fusão Citrosuco-Citrovita o CADE e as partes concordaram em formalizar um acordo para melhorar as condições de comercialização de laranjas pelos citricultores. Entre as medidas acordadas estão a criação do “Consecitrus” ...para reduzir os problemas informacionais e de organização que caracterizam o setor, trazendo maior equilíbrio para as relações entre os citricultores e a indústria” e medidas para conter a verticalização.

A proposta do Consecitrus deveria ser submetida ao CADE. A Associtrus, FAESP e SRB participavam das negociações quando estas foram interrompidas. A Associtrus, por não aceitar aderir à proposta unilateral da indústria, foi excluída. Por outras razões a FAESP também saiu da negociação e uma proposta assinada pela CitrusBR e pela SRB, em abril de 2012, foi entregue ao CADE.

Em 20 de fevereiro de 2013, a proposta enviada ao CADE foi julgada. O voto do relator, desenvolvido em 106 páginas, descreve com precisão os desequilíbrios existentes na relação entre citricultores e indústria e define que a Associtrus, FAESP e SRB, como representantes dos citricultores, terão direito a voz e voto na apresentação de uma nova proposta para o Consecitrus.

O relator reconhece que “...Ao autorizar estas fusões e aquisições, o CADE criou uma estrutura com elevado poder de mercado nas compras de laranja ( indústria) sem qualquer poder de mercado equivalente ou compensatório nas vendas de laranja (citricultores)”. Registra também “...toda a pressão do mercado recai sobre os citricultores, especialmente os pequenos e médios ....” Portanto para compensar o oligopsônio criado pelo CADE, seria necessário criar uma estrutura para reequilibrar as forças entre esses dois elos da cadeia”. O relator conclui que: as indústrias têm poder de compra unilateral em relação aos citricultores; as pequenas processadoras e o mercado interno de fruta não são capazes de absorver o desvio de oferta de laranja destinado às processadoras; os estoques podem ser utilizados como instrumento de barganha junto aos citricultores e a assimetria de informações afeta não só a negociação de preço da laranja como a própria organização da produção. “Em suma , as relações entre citricultores e industriais são perenes, recorrentes e dependentes. Contudo, estão historicamente marcadas por fortes conflitos que tendem a desfavorecer o citricultor na apropriação do excedente.”

Com relação à verticalização,o relator reconhece que os pomares próprios substituem a produção perdida dos produtores, que são excluídos do setor e, assim, as empresas podem impor preços mais baixos para reduzir seus custos. Com a produção própria, as processadoras podem adiar a compra da laranja de terceiros, aumentando a pressão sobre citricultores e reduzindo o preço da laranja. O poder de mercado das indústrias permite gerar grandes oscilações de preços, o que implica na necessidade de grande capitalou aumento do endividamento dos citricultores para fazer frente a essas oscilações.

O valor adicionado da produção agrícola até a venda do suco de laranja é disputado entre os citricultores e indústria, mas dadas as diferenças de poder de mercado e a intensa concorrência entre os citricultores, estes acabam sendo remunerados com valores próximos ao seu custo de oportunidade (lucro econômico zero), e isto é agravado pela heterogeneidade entre os produtores em termos de produtividade e de remuneração, registra o relator.

O relator registra que a CONAB aponta gastos de R$7,7 bilhões com a citricultura nos últimos 10 anos e levanta a questão sobre se não estaria havendo uma socialização do prejuízo concorrencial via financiamentos públicos.Em outras palavras, indiretamente, estaria havendo transferência de recursos do governo para as processadoras.

O relatório discute a intensa discriminação na determinação dos preços pagos aos citricultores, o que gera uma remuneração desigual entre eles. Segundo o relator, as indústrias têm capacidade e interesse em discriminar os produtores, diante dos ganhos advindos dessa ação.

Quanto maiores a verticalização, o excedente de laranja no mercado e o estoque de suco de laranja, maior o poder de compra da indústria, segundo o relator.

Ainda segundo ele, a concentração de mercados gera ineficiências e perdas de bem estar e lembra que a discriminação abusiva está relacionada à baixa rivalidade entre as indústrias. Em ambientes competitivos, não há espaço para remuneração de fatores de produção, leia-se aqui a matéria-prima laranja,em bases discriminatórias.

A discriminação resulta no controle da oferta de laranja, cujo objetivo é extrair o máximo de renda e não criar produtos ou ofertas distintas, ganhos de eficiência e eliminar produtores ineficientes. O poder oligopsônico busca somente obter o menor custo de um insumo (laranja); para tanto discrimina. Assim, a suposta baixa produtividade decorredeste abusivo poder de compra, segundo o relator.

Ao relacionar o poder de compra à discriminação com a produtividade, o relator comenta o fenômeno denominado histerese. A histerese pode ser entendida como a situação em que um sistema não retorna ao seu estado inicial depois de eliminado o fator que causou a alteração. No caso da citricultura, o baixo preço pago pela laranja, a porcentagem da produção adquirida e o retardamento de compra da safra geram perdas de produtividade e aumento de custos, que se vão agravando ao longo do tempo, levando à exclusão de citricultores tradicionais e competentes do setor. O relator ressalta que devido às compras discriminadas, a tese de que os produtores menores são ineficientes deve ser considerada com ressalvas, pois a compra com discriminação pode criar produtores ineficientes. Produtores que recebem preços mais baixos tornam-se incapazes de investir em eficiência e, dessa forma, são injustamente excluídos do mercado. Assim, um objetivo adicional do Consecitrus é mitigar a discriminação dos industriais junto aos produtores agrícolas.

O relatório, aprovado por unanimidade pelo CADE,mostra com clareza as distorções das relações entre indústria e citricultores, desmente os argumentos utilizados até agora pelas indústrias e traça os caminhos para que o Consecitrus corrija as distorções.

É preciso que os citricultores apoiem a Associtrus para que tenhamos maior poder para fazer prevalecerem os nossos pontos de vista e para que não percamos esta oportunidade única de restabelecer o equilíbrio nas relações entre citricultores e indústria.

Flávio Viegas

Presidente da Associtrus


<<Voltar << Anterior


Indique esta notícia
Seu nome:
Seu e-mail:
Nome Amigo:
E-mail Amigo:
 
  publicidade +
 

Associtrus - Todos os direitos reservados ©2021

Desenvolvido pela Williarts Internet
Acessos do dia: 41
Total: 3.519.782
supertotobet bahissenin bahissenin
1xbet 1xbet bahisno1 bahsegel canli casino ecopayz kacak iddaa canli bahis iddaa marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis restbet canli skor superbahis mobilbahis
bahigo bahis siteleri guvenilir bahis siteleri kacak bahis siteleri betist 1xbet asyabahis betebet betgaranti betlike betvole ligobet pinbahis polobet verabet
bahissenin tipobet betmatik
perabet makrobet
onwin