- Domingo 24 de Outubro de 2021
  acesse abaixo +
   Editorial +


Uma história de conflitos

14/08/2015

A citricultura em São Paulo tomou impulso e novo direcionamento a partir de meados da década de 60. Em 1962, uma intensa geada devastou os pomares da Flórida e abriu o mercado para o suco brasileiro. Opaís já tinha uma citricultura desenvolvida, tecnologia, contou com apoio governamental e soube aproveitar a oportunidade, tornando-seem pouco tempo o maior produtor e exportador de suco de laranja.

O setor, desde o início, caracterizou-se por um oligopólio industrial, ambicioso e determinadoe produtores competentes porém pouco organizados. Desde o início há na literatura referências e alertas para o impacto sobre os citricultores de uma relação tão assimétrica. Em 1971, o economista John G. Clarke,designado pela FAO para trabalhar no Ital,registra: “Uma nuvem negra no horizonte está aumentando a insatisfação dos citricultores em relação às negociações com os processadores , resultante de um suposto conluio na aquisição de frutas, com o objetivo de influir no preço.”

Em 1974, o crescimento da produção e a crise do petróleo provocaram uma enorme crise no setor e o governo sugeriu que a indústria cítrica brasileira criasse um “pool” exportador inspirado no cartel da OPEP. Em julho de 1974 as indústrias apresentam um documento propondo cotas de exportação, limitação das compras de laranja e distribuição dos estoques. Nesse mesmo ano,a crise obrigou os produtores a criar a Associtrus e as indústrias criaram a Abrassucos.

A crise leva a Sanderson à falência e o estado cria a Frutesp . A CACEX, um órgão designado para controlar as exportações, transformou-se num fórum de debates e árbitro dos preços da laranja. Benedito Moreira, diretor da Cacex na época, comentou em depoimento, em 1985, a Geraldo Hasse, publicado no livro A Laranja,: “ A indústria de suco era uma nova atividade para os homens originados do mercado de fruta “in natura”. Eles têm o mérito da implantação dessa indústria no Brasil, mas como empresários industriais, sua visão tende mais para o imediatismo, daí os conflitos que se agravaram à medida que cresceu o volume de negócios com o exterior.(....)Nessa época as compras de laranja junto aos citricultores eram feitas desorganizadamente. Ouvindo os dois lados achei que os produtores estavam sendo injustiçados, pois a indústria era organizada na compra de frutas. Eu não pretendia, como governo, me meter no conflito, mas aconselhava a indústria a pagar melhores preços.”

Como fórum de negociações, a CACEX procurava administrar três conflitos, entre os citricultores e as indústrias, entre as indústrias grandes e as indústrias pequenas e entre as grandes indústrias.

Em 1976 a Citrosuco e Citrovita foram denunciadas por abuso do poder econômico pelo deputado Herbert Levy.

Apesar da aparente rivalidade entre Citrosuco e Cutrale na época, ambas uniram-se em 1977 para comprar a Citral, Tropsuco e Sucorrico. Em 1981 as empresas foram absolvidas pelo CADE.

Em 1982 foi adotado um sistema de cotas de exportações.

Em 1985 uma nova crise entre citricultores e indústrias resultou em piquetes dos produtores para bloquear as fábricas que não aceitaram os preços aprovadospela CACEX. O caso foi por interferência do presidente Sarney.

A crise provocou uma cisão na Abrassucos e a Cargill e a Citrosuco criaram a ANIC. O acordo das cotas passou a ser questionado por algumasindústrias.

Os citricultores passaram a se organizar em “pools”, enfraquecendo a Associtrus e, sem perceber, fortalecendo as indústrias, que passaram a negociar com os líderes de “pools”, dividindo desta formao setor para melhor controlá-lo.

A Frutesp foi inviabilizada por um ataque dos concorrentes a seus fornecedores e clientes e foi vendida em 1993.

Em 1994, a Associtrus e aAciespdenunciaram ao CADE as indústrias por cartel. Em 1995 as indústrias assinam um termo de correção de conduta TCC com o CADE.

Em 1999 uma nova denúncia gera abertura de um novo processo que está tramitando no CADE até hoje. Neste período, mais de 20 mil citricultores foram excluídos do setor, a maioria perdeu seu patrimônio, outros estão altamente endividados, enquanto a indústria cresceu, concentrou-se e verticalizou-se, tornando-se praticamente autossuficiente em matéria- prima.

Criou-se um novo modelo de produção, baseado em grandes pomares, que usam os municípios que os abrigam como alojamento temporário de” boias- frias”, com o ônus de abrigar e dar assistência social aos trabalhadores trazidos de outras regiões do país durante a colheita.

O modelo que prevaleceu no setoraté o início da década de 90 era o de pequenos e médios produtores que residiam nos municípios citrícolas, dinamizavam a economia, criavam condições de retorno ao município dos jovens que saiam para estudar nos grandes centros, assegurando geração e distribuição de renda e emprego.

Julho de 2015.

Por Flávio Viegas

Presidente da Associtrus


<<Voltar << Anterior


Indique esta notícia
Seu nome:
Seu e-mail:
Nome Amigo:
E-mail Amigo:
 
  publicidade +
 

Associtrus - Todos os direitos reservados ©2021

Desenvolvido pela Williarts Internet
Acessos do dia: 39
Total: 3.519.780
supertotobet bahissenin bahissenin
1xbet 1xbet bahisno1 bahsegel canli casino ecopayz kacak iddaa canli bahis iddaa marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis restbet canli skor superbahis mobilbahis
bahigo bahis siteleri guvenilir bahis siteleri kacak bahis siteleri betist 1xbet asyabahis betebet betgaranti betlike betvole ligobet pinbahis polobet verabet
bahissenin tipobet betmatik
perabet makrobet
onwin