- Domingo 24 de Outubro de 2021
  acesse abaixo +
   Editorial +


Citricultura em risco

19/10/2016

Por
Flávio Viegas
Presidente da Associtrus


Nos próximos dias o Fundecitrus deverá publicar uma reestimativa da safra de laranja no Estado de São Paulo, onde se concentra a maior parte da citricultura brasileira e que influencia toda a citricultura brasileira.

A publicação de uma estimativa de safra foi um avanço e uma conquista dos citricultores depois de décadas de manipulação das informações por parte das processadoras. Muitas informações ainda precisam ser compartilhadas como os volumes e preços do suco de laranja NFC e FCOJ a granel e de comercialização ao consumidor, nos diversos mercados.

Na estimativa publicada em maio de 2016, a produção estimada foi de 245,74 milhões de caixas de 40,8 kg, uma quebra de 18,26% em relação ao fechamento da safra anterior.

Este nível de produção havia sido superado no início da década de 1990; o fator mais preocupante é a queda da produtividade por árvore que era da ordem de 2,2 cx.na época mas vem caindo de ano a ano e atinge nesta previsão 1,4 caixas por árvore. Embora grande parte da quebra de produção seja decorrente das altas temperaturas em setembro do ano passado, a queda contínua de produtividade está ligada a outros fatores, sendo o principal os baixos preços recebidos pelos citricultores, como temos demonstrado em artigos anteriores. A falta de concorrência e a verticalização da produção permitem que as indústrias controlem os preços, que vêm sendo mantidos em níveis inaceitavelmente baixos e totalmente descolados dos fundamentos do mercado.

A queda da produção vem reduzindo o estoque no Brasil que era de 509 mil t no início da safra 2012-13, tendo atingido no início da safra atual 161 mil t e deve terminar a safra com 123 mil t, segundo levantamentos do USDA. Esse nível de estoque, que corresponde a menos de 50% do estoque necessário para a manutenção do fluxo das exportações de suco de laranja do Brasil, vai limitar as exportações ao volume produzido na safra atual de 885 mil t, uma redução de 26,2% em relação à média dos últimos 10 anos, que foi da ordem de 1200t/ano.

Apesar disto, os preços atuais apenas cobrem os custos de produção, que estão na faixa de R$ 18 a R$20/ caixa de 40,8 kg, menos de US$ 6/cx., menos da metade do preço recebido pelos citricultores da Flórida. Os custos de logística, comercialização e vendas, acrescidos dos custos administrativos e financeiros, que poderiam explicar esta diferença, não atingem US$1/caixa.

A única explicação para o baixo nível de preço pago pela indústria é o poder de mercado decorrente da concentração e da verticalização. No relatório do Fundecitrus pode-se verificar que 158 das propriedades concentram praticamente 50% do parque citrícola levantado, sendo essas propriedades, em sua maioria, das próprias indústrias.

Enquanto a citricultura brasileira vem sendo dizimada pelo oligopólio investigado desde 1999 por cartel, nos EUA o estado da Flórida incentiva o replantio dos pomares de laranja com US$ 250.000,00 por produtor, incentivo que se soma aos incentivos federais e municipais já existentes.


<<Voltar << Anterior


Indique esta notícia
Seu nome:
Seu e-mail:
Nome Amigo:
E-mail Amigo:
 
  publicidade +
 

Associtrus - Todos os direitos reservados ©2021

Desenvolvido pela Williarts Internet
Acessos do dia: 39
Total: 3.519.780
supertotobet bahissenin bahissenin
1xbet 1xbet bahisno1 bahsegel canli casino ecopayz kacak iddaa canli bahis iddaa marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis marsbahis restbet canli skor superbahis mobilbahis
bahigo bahis siteleri guvenilir bahis siteleri kacak bahis siteleri betist 1xbet asyabahis betebet betgaranti betlike betvole ligobet pinbahis polobet verabet
bahissenin tipobet betmatik
perabet makrobet
onwin