- Segunda-Feira 19 de Outubro de 2020
  acesse abaixo +
   Notícias +


Grupo de trabalho de combate ao greening se reúne em São Paulo

27/07/2017

Asssocitrus está representada pelo engenheiro agrônomo Walkmar Brasil de Souza Pinto.

O grupo de trabalho de combate ao greening, instituído no dia 5 de junho durante a 39ª Semana da Citricultura, em Cordeirópolis, se reuniu pela primeira vez no último dia 18 de julho, em São Paulo.

O grupo envolve profissionais da Secretaria, com a participação do próprio secretário Arnaldo Jardim, Walkmar Brasil de Souza Pinto (Associtrus), Alberto Amorim (Câmaras Setoriais), João Brunelli Júnior (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral - Cati), Mário Sérgio Tomazela, da Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), Marcos Antonio Machado, do Instituto Agronômico (IAC), além de Luis Eduardo Rangel, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Luis Carlos Ribeiro, do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), Diego Fortes (Associação Brasileira de Citros de Mesa), Lourival Carmo Monaco e Antonio Juliano Ayres (Fundecitrus) e Hamilton Ferreira de Carvalho Rocha (Grupo de Consultores em Citros - Gconci).

Na pauta da primeira reunião: criar uma ação integrada envolvendo a cadeia produtiva e o poder público para conscientizar a sociedade sobre a importância do controle do greening (huanglongbing/HLB) e mostrar os impactos da doença, que causa perda de frutos, diminui a qualidade da fruta e reduz a produtividade dos pomares. Foram discutidas ações para manter a doença sob controle e garantir o diferencial de competitividade da citricultura nacional, por meio de incentivo à pesquisa e transferência de tecnologias de manejo, capacitação do produtor rural, fiscalização de pomares abandonados ou mal manejados e revisão da legislação para ter um controle mais eficiente. Para combater a disseminação do vetor é preciso eliminar todos os focos da doença, inclusive fora dos pomares.

A citricultura é o agronegócio que mais emprega mão de obra humana por hectare. Ao afetar a produtividade dos pomares, o greening compromete a geração de empregos, enfraquece a atividade comercial da região e acarreta uma série de fatores que se refletem na vida de toda a comunidade. Para o secretário Arnaldo Jardim o principal foco do trabalho é o controle da doença em áreas sem manejo, na redução das fontes de contaminação e ações de conscientização.

A incidência do HLB no parque citrícola é de 16,73%, o que corresponde a cerca 32 milhões de plantas, porém, nos pomares com até 10 mil pés, que correspondem a cerca de 5,5 mil propriedades, 36,03% plantas estão afetadas pela doença, segundo dados do Fundecitrus.

O greening

Considerada uma das piores doenças na citricultura, o greening (huanglongbing/HLB) permanece alto no parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais. De acordo com o levantamento do Fundecitrus 2017, divulgado em junho, a doença contamina 16,73% das plantas do parque, o que representa 32 milhões de árvores doentes.

Na Flórida, nos Estados Unidos, o greening atinge cerca de 90% das plantas. De acordo com o gerente geral do Fundecitrus, Antonio Juliano Ayres, que recentemente voltou de uma visita ao estado norte-americano, é preciso estar em alerta para que esse mesmo erro não aconteça no Brasil. “Os americanos não adotaram as medidas de manejo adequadas quando a incidência do greening era baixa, e hoje, a doença avançou ganhando grande dimensão o que fez a produtividade caisse de 40 para 23 toneladas por hectare”.

O greening foi identificado em 2004 no parque citrícola de São Paulo e Minas Gerais, principais estados produtores de citros do Brasil. Nesse período, já causou a erradicação de 100 mil hectares e a eliminação de 46 milhões de plantas.

A regiões sul e centro paulista apresentaram maiores incidências da doença, com 32,26% e 24,76%, respectivamente. As regiões mais afetadas são Limeira, com 39,48%, Brotas, com 36,80%, e Porto Ferreira, com 25,48% dos pomares contaminados.

O psilídeo Diaphorina citri é o inseto transmissor da bactéria que causa a doença e ele vive em plantas de citros. As árvores de pomares abandonados, mal manejados e de quintais na área urbana e rural, que não tem o controle do psilideo e a eliminação das doentes, e que são importantes criadouros do psilídeo e da bactéria do greening. Por isso, para controlar o greening é necessário o engajamento do setor público e privado e também a participação da sociedade.

“Unidos contra o greening”

O Fundecitrus lançou uma campanha de incentivo ao controle do greening. O objetivo da ação “Unidos contra o greening” é conscientizar os diferentes elos do setor citrícola e da sociedade. O objetivo desse trabalho não é simplesmente diminuir as chances de disseminação da doença, e sim ampliar as condições de desenvolvimento de toda a comunidade. A manutenção da citricultura brasileira no topo do mundo depende da união dos elos do setor citrícola e da sociedade. Saiba mais sobre a campanha no vídeo: http://bit.ly/2tnOTrP .

Fonte: Com informações da Sec. de Agricultura de SP


<<Voltar << Anterior


Indique esta notícia
Seu nome:
Seu e-mail:
Nome Amigo:
E-mail Amigo:
 
  publicidade +
 

Associtrus - Todos os direitos reservados ©2020

Desenvolvido pela Williarts Internet
Acessos do dia: 405
Total: 2.602.514
Balikesir escort Manisa escort Aydin escort Mugla escort Giresun escort Kahramanmaras escort Yozgat escort Tekirdag escort Isparta escort izmir escort inegol escort Soma escort Igdir mutlu son