- Domingo 24 de Maio de 2020
  acesse abaixo +
   Notícias +


Contribuição ao Funrural em 2019

18/02/2019

Como grande novidade que a Lei 13606/18 trouxe a vida dos produtores, ao menos no que toca o pagamento das contribuições sociais, foi a opção de recolhimento do FUNRURAL e do SAT/RAT sobre a folha de salários.

Esta possibilidade, pleito antigo do agro e conquistado graças a pressão dos produtores nos movimentos que se seguiram em Brasília (Praça Portugal, em 01/05/2017 e Abril Verde e Amarelo, em 04/04/2018), pode ser exercida até o pagamento da competência janeiro, ou seja, até o dia 20.02.2019, data limite para recolher a guia GPS.

A opção só pode ser alterada anualmente, sendo irretratável e irrevogável por todo o ano calendário, além de vincular todas as matrículas CAEPF do contribuinte, ou seja, em todas as fazendas a opção deve ser a mesma (ou contribui sobre a folha ou sobre receita bruta).

Na prática, para aqueles que optarem pelo pagamento sobre a folha, nos termos da Lei, o FUNRURAL e as demais contribuições sociais serão assim exigidas:

SOBRE A RECEITA BRUTA
0,2% SENAR*

SOBRE A FOLHA
20% FUNRURAL
3% SAT/RAT
2,5% SALÁRIO EDUCAÇÃO*
0,2% INCRA

Como visto o SENAR deve continuar sobre a receita bruta, em que pese a confusão gerada pela própria Receita Federal no momento de regulamentar a Lei 13.606/18. Os sistemas da receita acabaram lançando o SENAR sobre a folha o que gerava uma guia GPS errada, com o acréscimo indevido de 2,5% à título de SENAR. Nesta situação, caso o produtor ainda não tenha pago a guia GPS (que vence dia 20.02.2019) a orientação é para que busque o seu contator e retifique a GFIP, gerando uma outra guia sem o desconto do SENAR, isso de acordo com RETIFICAÇÃO publicada em Publicada em 13/02/2019 no Diário Oficial da União, Edição: 31, Seção: 01, Página 25.

Não obstante, impende salientar que tanto o 0,2% relativo ao SENAR sobre a receita, quanto o 2,7% do SALÁRIO EDUCAÇÃO sobre a folha são passíveis de discussão judicial.

Em resumo, antes de o produtor exercer a opção sobre folha ou continuar recolhendo o FUNRURAL e os assessórios sobre a receita bruta, aconselha-se que o mesmo faça uma simulação, pois em muitos casos será extremamente vantajosa a migração folha, notadamente naquelas situações onde se tem grandes faturamentos com poucos empregados, caso das lavouras de soja, milho, confinamento, etc. Contudo, nas situações onde o número de funcionários é alto, com uma folha mensal elevada, vale a pena continuar da forma como é cobrado hoje, sobre a receita bruta.

Para melhor visualização das modificações implementadas pela Lei 13.606/18 no FUNRURAL sugerimos a leitura do manual atualizado que será disponibilizado no site da ASSOCITRUS e também pode ser visto no site da andaterra.org.br/.

Finalmente, lembramos a todos que a luta pela reversão do chamado “retroativo” do FUNRURAL permanece, tanto em juízo, com novos recursos ao STF e STJ que objetivam dar cumprimento a Resolução do Senado nº 15, de 2017, quando no plano legislativo, com a aprovação do PL 9252/17 que, amparado por parecer da lavra de um dos maiores tributaristas brasileiros, Dr. Ives Gandra da Silva Martins, busca devolver segurança jurídica ao tema e impedir que Receita e PGFN continuem a defender a exigibilidade de um tributo sem lei que o ampare, em nítido e ostensivo crime de excesso de exação (cobrança indevida de um tributo), tal como capitulado no art. 316, § 1°, do Código Penal.

FUNRURAL 2019 - Clique aqui


<<Voltar << Anterior


Indique esta notícia
Seu nome:
Seu e-mail:
Nome Amigo:
E-mail Amigo:
 
  publicidade +
 

Associtrus - Todos os direitos reservados ©2020

Desenvolvido pela Williarts Internet
Acessos do dia: 1781
Total: 2.044.815
adana escort bayan elazig escort bayan izmit escort bayan yalova escort bayan erzurum escort bayan isparta escort bayan corum escort bayan batman escort bayan agri escort bayan kirsehir escort bayan